Novo Desporto: Química do Cérebro

“Pensar é praticar química cerebral.” – Deepak Chopra
Há quem pratique karaté, futebol, xadrez, pesca desportiva, ou qualquer outro desporto. Mas o que todos praticamos é “química cerebral”. Ao longo do dia temos cerca de 60 mil pensamentos. São 2500 por hora, 41 por minuto, 1 a cada segundo e meio.

Dois pensamentos a cada 3 segundos, em média! Isso é que é ser especialista em “Química Cerebral”! Se existe algo que todos sabemos fazer, e fazemos, é pensar.

Muitas coisas boas fazemos com os pensamentos: projectos, ideias, organização, planos, estratégias, avaliações, perguntas e respostas.

Também temos algumas limitações. A primeira, e mais óbvia, é que os 60 mil pensamentos diários não são acerca de 60 mil coisas diferentes. Não. Normalmente circulam em volta da mesma meia dúzia de assuntos e interpretações para as quais estamos a orientar a nossa energia. E estas interpretações, pensadas e repensadas, abrem sulcos no cérebro e tornam-se formas crónicas de pensar, interpretar e avaliar.

Imagina que um atleta faz musculação, mas exercita o braço esquerdo todos os dias, a todas as horas. Mais nenhum membro nem mais nenhum músculo, somente os do braço esquerdo. Depois de uns tempos ele ficará incapaz de usar qualquer outro membro, mas terá um braço esquerdo mais forte do mundo. E quanto mais forte ele for, maior será a tendência de o usar em prejuízo do equilíbrio entre todos os membros.

Achas que o teu cérebro funciona de forma diferente? Não. A química do cérebro desenvolve-se consoante o exercício que tu lhe dás. Os preconceitos, as crenças, as rotinas, não são mais que caminhos muito percorridos e muito vincados, braços esquerdos sobre desenvolvidos.

Sempre que pensas diferente, estás a exercitar uma nova área da tua mente. E quanto mais áreas exercitares, melhor é a tua preparação e mais eficientes são as tuas decisões e acções.

Por isso é tão importante sair da zona de conforto, como sempre estamos a dizer. Aventurares-te em coisas novas. O facto de contactares com pessoas diferentes e fazeres coisas diferentes, faz com que sejam abertos novos canais de irrigação química na tua mente. Uma mente aberta, que cria constantemente novas rotinas, procura novas experiências, novas pessoas e novos projectos é como um atleta olímpico: conseguirá ser mais rápido, ir mais alto e ser mais forte. (“citius, altius, fortius”).
Se pretendes ter muito sucesso, seja no que for, não penses que o conseguirás sem te tornares um verdadeiro atleta em “química do cérebro”.

comentários