Estes são Tempos de Incertezas

“Riscos, gosto eu de dizer, compensam sempre: aprendes o que fazer ou aprendes o que não fazer.” – Jonas Salk

Há pessoas que gostam de correr riscos. Consciente e deliberadamente colocam-se em situações de perigo, ou, pelo menos, de grande desconforto.

Contudo é um engano pensares que, ficando quieto em casa, corres menos riscos.Não. Não é assim com a segurança física e não é assim com a segurança mental, social, financeira. Não.

Em tempos de mudança ficar parado é um risco maior do que engajar-se activamente em soluções.

Não penses que para correres riscos precisas de fazer alguma coisa.

O maior risco que corres é o de ficar parado na tua zona de conforto.

Quando vem um tsunami, os barcos ancorados no porto correm mais riscos de naufragar que aqueles que estão em alto mar. Estes, a maior parte das vezes, nem se apercebem de nada, mas o que estão no “porto seguro”, afundam-se todos.

Pensas que os tempos actuais são de incerteza? Não são. São tempos de certeza. Mais, de certeza absoluta.

E essa certeza é esta: é maior o preço de não fazer nada do que de fazer alguma coisa, mesmo que essa “alguma coisa” se revele um fracasso.

Se achas que estás seguro aí onde estás, ancorado no teu emprego “seguro”, no teu subsídio, na tua empresa e nos teus empregados, pensa melhor. O tsunami está aí e provavelmente tens poucas alternativas.

Sai do encolhimento e procura mais.

O que não falta são oportunidades a quem as procura!

comentários