26 e estudante

Inside of a classroom with back to school on the chalkboard

Um conselho a quem se encontra agora na escola: Não desistam!
É verdade que a vida de estudante parece difícil enquanto é esse o rótulo que nos é dado, mas também é verdade que a tendência é para que as coisas se tornem mais difíceis.
Os comportamentos na nossa sociedade estão relativamente programados e escolher um percurso fora do padrão é quase o mesmo que dar um comando desconhecido a um computador. Quero por isto dizer que são-nos dadas todas as oportunidades necessárias enquanto a nossa idade o permite.
O que acontece muitas vezes é que enquanto adolescentes não nos é possível ver o panorama geral, não nos é possível avaliar o quanto mais difícil será deixar a vida escolar para mais tarde, não que não nos sejam dadas as oportunidades mais tarde, mas estas vão-se tornando cada vez mais escassas à medida que vamos envelhecendo.
As coisas estão de facto programadas para que as façamos a determinada altura da nossa vida, há cursos que eu por exemplo, com 26 anos e o 12º ano de escolaridade, gostava de fazer agora depois de ter desistido da faculdade aos 19 mas não posso pois já estou fora da faixa etária para a qual os cursos estão disponibilizados, embora aos 19 ainda os pudesse fazer.
Portanto é com experiência própria que o conselho é dado.
Mas tenham em mente que de facto há muitas opções e que se são jovens até aos 22 anos ainda há muitas formações que podem escolher se não quiserem seguir a vida universitária. Contudo há que procurar com cuidado pois há muito centros por aí que se verificarem com cuidado a formação não é creditada, portanto poderiam ser conduzidos a gastar dinheiro e tempo com uma formação que no fim não seria tida como válida.
Mas como já disse antes há muitas opções. É sempre bom começar com o Centro de Emprego pois para além das formações que eles disponibilizam, também têm acesso aos centros de formação profissional independentes creditados pelo IEFP existentes no país, como por exemplo o Citeforma em Lisboa, sendo que muitos destes centros seguem o mesmo sistema que os centros de formação do IEFP em que é facultado o subsídio de transporte e alimentação, o sistema das bolsas depende da situação face ao emprego e subsídios que a pessoa possa estar a receber. Mas também este sistema tem vindo a mudar e os benefícios que existiam anteriormente para quem escolhe a via da formação profissional têm vindo a ser cortados e não se sabe como estarão num futuro próximo.
Há que aproveitar enquanto se tem a possibilidade de prosseguir com o ensino corrente, ou seguir a via do ensino profissional se preferirem, mas sempre de modo em tenham a aberto a possibilidade de continuar a estudar e lembrem-se que a idade um dia se tornará limitativa.

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *